Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

lost in wonderland

lost in wonderland

Madeira // dia 4

Abril 05, 2014

o paúl da serra era outro dos locais que fazia questão de conhecer - um bocado como os balcões, só a pé de cabra é que me sacavam daquela ilha sem eu ter ido lá :D

então ao quarto dia, foi o nosso destino!

a norte, o dia não estava grande coisa.. quando virámos para a serra d'água, descia uma ventania bruta por aquele desfiladeiro abaixo e o céu estava carregadinho de nuvens balofas e escuras.. mau maria!
à saída do túnel da encumeada o cenário não era muito diferente, o que me preocupou um bocado.. ainda assim não me demoveu de subir a encosta aos ziguezagues, por outra daquelas adoráveis estradas regionais que a madeira já me tinha habituado.

..até que a dada altura, já com dois terços da subida feita e a desbravar nevoeiro havia uns bons km’s, dou com o nariz num bloqueio de estrada! 

puta que pariu.. queres ver que aquilo tá tão agreste lá em cima que fecharam o acesso?

comecei logo a ver a coisa andar para trás.. mas, teimosa como sou, enquanto não esgotasse todas as hipóteses de meter os pés no topo daquele monte gigantesco não ia desistir, ora essa!

existiam mais três ou quatro acessos que podia tentar e como já tinha começado a descer a serra pelo lado sul, o mais próximo era pela ponta do sol. só que a minha costela com o.c.d. mandou-me seguir pela ribeira da janela, a norte. podia ser bocadinho mais longe, mas assim aproveitava logo e passava pelo fanal, outro dos sítios que constava na minha to do list. era win-win!

mas antes de nos fazermos às curvas novamente, ainda ficamos ali uns instantes, especados a olhar para os picos da encumeada. fosga-se, que é difícil descolar os olhos daquelas paisagens.. vale a pena passar por ali só pelas vistas.

e siga pa norte a todo o vapor!

não fomos muito longe, mal saímos do túnel da encumeada (novamente lol), decidimos que havia tempo para visitar as grutas vulcânicas de s. vicente. algo que não constava no roteiro (até porque não tinha conhecimento delas), mas acabou por ser uma paragem bastante interessante. não tanto pelas grutas em si, que a visita é curta (apesar de ter sido divertido andar lá a arrastar o cú por um dos canais he he he), mas pela parte pedagógica que se seguiu, no centro de vulcanismo. satisfez-me a curiosidade sobre a formação da ilha \m/

canais de lava

de volta à montanha-russa, apanhei outro desgosto no fanal - tá visto que os deuses devem ter acordado com os pés de fora da cama.. não dava para ver um palmo à frente dos olhos por causa do nevoeiro, nem valia a pena sair do carro.. até guinchei com fúria que aquilo me meteu, que eu sabia bem o que é que estava a perder ali.. vade retro nevoeiro cão!!

muitos mais km's acima, já cansada do branco opaco à minha volta que teimava em não desaparecer e a começar a desanimar, a ver que ia sair dali a chuchar no dedo, quando de repente..

AZUL!!

como que por magia, as nuvens varreram-se e deram lugar a um maravilhoso dia de primavera, sem bafo de vento. uma tranquilidade incrível reinava naquelas paragens.. quem diria, com a bezaranha que estava na base da ilha..

dei um belo dum espectáculo a um grupito que estava a fazer uma photoshoot no cruzamento das estradas, quando encostei e larguei o carro à má fila e me meti aos saltos no meio da estrada, eufórica por estar finalmente ali muhahahah

paul da serra


(quero acreditar que existem pancadas piores :D)

o paúl da serra é um lugar único da ilha, quase nos esquecemos onde estamos - a 1500 metros de altitude, deve ser o único sitio na ilha com mais do que 1m² de chão plano.. UAU! em perfeito contraste com o relevo acidentado que caracteriza toda a ilha, a paisagem ali é muito semelhante à dos planaltos da serra da estrela. alguns montes de linhas macias, vegetação rasteira e árvores nas partes mais abrigadas, e gado à solta. a única diferença é que não existem blocos de granito espalhados por todo o lado.

e lindo.. tão, tão LINDOOOOOO!!

demos umas voltas por lá, e depois fomos à cata de sitio para lanchar. assentámos arraiais num miradouro magnifico (bica da cana), que tinha uma vista que bem.. só visto.. mesmo!

bica da cana

 

se o passeio do dia anterior já me tinha deixado deslumbrada com a beleza daquele pedaço de terra plantado no meio do mar, nem sabia bem como processar aquilo que se estava desenrolar diante dos meus olhos.. só tenho isto a dizer: o universo estava inspirado no dia em que criou a madeira!

uma vista de cortar a respiração para os picos rudemente escarpados do maciço montanhoso oriental, as nuvens fofinhas a atravessar preguiçosamente o imenso vale, e em background o som do canto dos passaritos que ecoava pela floresta que cobria a encosta sob os nossos pés e o murmúrio continuo das pás dos moinhos a cortar o vento...

mágico!

ao fim da tarde ainda palmilhámos até ao ponto mais alto do paúl, também chamado de pico ruivo. a luz forte do entardecer reflectida na neblina ofuscava, e não deixava ver o azul do mar em redor, imagino aquilo em dias limpos.. deve ser coisa para ter de limpar a lagrimazinha de emoção ao canto do olho :D

já ao anoitecer ainda fomos ver as nuvens a roçarem-se pelas encostas da montanha. que maravilha de cenário.. estivemos lá até não ser possível ver mais nada... 


mar de nuvens

 

que sitio do caneco!

 

< dia anterior ·início· dia seguinte >

Odeceixe, take II

Agosto 23, 2013

tivemos quase, quase para repetir a dose do ano passado (aka a semana de férias mais surreal-ò-brutal de todo o sempre), mas como eu andava maluca para acampar e o hóme andava meio afanado das cruzes, decidimos não andar metidos em grandes reboliços. então tratei de assegurar um espacito para a nossa 3 segundos num parque que estava marcado como visita obrigatória desde a grand tour de 06 pelos campings do litoral alentejano - o de s. miguel. finalmente!! 

 

tralha no carro e siga pa bingo!

 

dia 0. descemos o sudoeste alentejano sempre acompanhados de nevoeiro. ia ali a rezar que aquilo não se intrometesse muito nas nossas ricas férias. em lagos (onde fomos deixar a serigaita) não havia sinais de nuvens, era só mesmo junto à costa oeste. então tracei um plano de contingência caso o sacana atrapalhasse nos dias que se seguiam.

 

para abrir as hostes, jantarada no nosso favorito em odeceixe e depois ala pró parque montar o arraial. como o espaço não nos era totalmente desconhecido, não foi difícil decidir onde assentar. apanhamos um spot à larga (na medida do possível, lol) e em menos de 10 minutos távamos alojados.

 

ai mãe, as saudades que tinha da minha tendinha \m/

 

dia 1. dia perfeito de praia. apesar de estar bastante frequentada, espaço é coisa que nunca falta naquele areal maravilhoso. este ano andámos mais afastados mas multidões, para não stressarmos com o stress dos outros :D

 

dia 2. o nevoeiro atacou em força. como sabia que a sul não havia vestígios de nuvens, siga prás praias da vila do bispo. íamos todos lampeiros para o barranco das canas, mas quando lá chegámos, fomos surpreendidos por uma besaranha tal, que nem o resguardo conseguimos espetar na areia. a ingrina tava igual e no zavial não havia sítio para parar o carro.. devia estar a rebentar pelas costuras. thanks, but no thanks.

 

vai daí, decidimos ir até ao amado, comer um hamburguer à do "van damme" e apreciar as paisagens (if you know what i mean :D)

 

nessa noite fomos grandiosamente trollados pelas forças misteriosas do cosmos.

 

saímos do amado por volta das seis e meia. pelo caminho informei o marido que tinha os químicos do cérebro todos faralhados por causa da falta de sol e necessitava de açúcar (hey, há desculpas piores muhahah), então sugeri que fossemos lanchar à mabi da zambujeira. entretanto tive que parar no parque para o homem ir.. hum.. tratar de um assunto.

 

porqueomaridolevouquarentaecincominutosacagar por razões que não interessam, eram 8 da noite quando finalmente nos sentámos para lanchar. depois de umas voltinhas pela vila, o hóme lembrou-se de irmos até à azenha do mar morder o ambiente (ie, curtir o restaurante sempre apinhado onde a malta espera e desespera para conseguir mesa). 

 

chegámos lá, e ele pergunta (assim na desportiva) se era possível jantar.. é que havia mesas vagas na sala. REPITO. havia mesas vagas no restaurante da azenha do mar às nove da noite - em agosto! 

a resposta foi um caloroso "podem entrar". só havia um problema.. 

 

"epá, mas ainda não temos fome.." 

 

a cozinha fechava às dez da noite mas para estarmos ali de seca à espera de apetite, desistimos.. e BAM! com essa decisão queimámos a única oportunidade que tivemos de apanhar uma overdose de marisco naquele sítio. oh well..

 

dali e fomos nas calmas para odeceixe. às dez da noite o chaparro estava excepcionalmente atafulhado e com um maralhal de gente à espera de mesa - é que nem à meia-noite aquilo se despachava, tal não era! 

antes que ficássemos sem jantar, decidimos ir ver o que é que se comia no parque. acabamos a noite a rapar um tacho de arroz de tamboril, que não estava mau de todo :D

 

dia 3. o nevoeiro não arredou pé, mas como estava quente e abafado fomos à mesma para odeceixe. apanhei um escaldão à antiga, nesse dia. parecia uma lagosta cozida.. é que o sol não se vê, mas tá lá, a morder como se nada fosse. o cão! 

 

dia 4. ..e o filha da puta do nevoeiro continuava a não dar tréguas. peguei na'gente e meti-nos na meia praia, numa zona nem por isso populada. não estou a exagerar ao dizer que estava um calor infernal. o sol ardia em todo o seu esplendor e soprava um vento tão quente que era impossível estar na toalha de papo pró ar. passamos o dia todo à beira mar ou dentro de água - not bad!

 

saímos às seis, para ir almochar (ie, almoçar à hora do lanche) à croissanteria 29 e depois de ir checkar a gata fomos para cima. nessa noite fomos conhecer aquele que é o restaurante mais afamado de odeceixe. não esperamos muito, nem houve complicações no serviço, mas foi a primeira e última vez que lá fomos. caro e.. meh!

 

dia 5. e finalmente o paneleiro do nevoeiro deu folga YAY! e que dia do crl em odeceixe. daqueles que uma pessoa sai da praia ao anoitecer, com a lágrimazinha ao canto do olho, de TÃO BOM que foi :D

 

Untitled

 

dia 6. altura de arrumar a tralha e fazer check out do parque. odeceixe prometia, mas lagos era o destino do dia. pelo caminho, decidi abastecer-me de batata-doce no mercado de aljezur - mesmo na fonte muhahahah se forem tão boas como prometem, da próxima vez que ir praquelas bandas, trago uma arroba :D'

 

depois de uma breve passagem pela terrinha, a tarde foi passada novamente na meia praia, desta vez com a companhia das sobrinhas. como já tão mais crescidas, em vez de se entreterem a comer areia, dedicam-se a chapinhar na água e a apanhar conchas, assim é mais fácil tomar conta delas he he he 

e como o pai fazia anos no dia seguinte, antecipamos o banquete de aniversário e nessa noite tivemos finalmente a nossa patuscada de marisco!

 

dia 7. no último dia de férias ainda fomos molhar os pés, mas já estava mais desagradável, por causa da ventania. demos a coisa por encerrada depois de enfardarmos umas bifanas na BP de Isaias \m/

bom.. enchi a barriga de praia, passeamos, curtimos, descansámos, e matámos as saudades dos nossos sítios favoritos. o campismo foi uma excelente opção (vem aí um post especial sobre isso :D) e o triângulo odeceixe - s. teotónio - zambujeira continua a render grandes momentos!

 

ah.. e já não pareço uma lula morta YAY

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mIRC.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e (sempre que a preguiça não a impede) gosta praticar exercício físico.

mantém uma pequena bucket list de coisas que gostava de fazer nos entretantos.

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores:
#12   #11   #10   #9   #8   #6   #5   #4

seguir nos blogs do SAPO

email: isa@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

'Le Archive

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D