Querias um gatinho mimado, n'era?

admito que possa ter exagerado na mimalhice que dei e continuei a dar à gatifonga desde que ela esteve doente. tadinho do bixo, passou as passas do algarve, merecia todo o mimo do mundo.. basicamente foi tratada como se fosse feita da mais fina porcelana chinesa.

só que aquilo deve-lhe ter subido à cabeça, porque a gatinha agora desenvolveu uma espécie de complexo de superioridade e agora que ninguém. a. pode. contrariar. que ela começa logo a reclamar! tem até um miado diferente para estas ocasiões, agudo e intermitente, com um tom bastante ameaçador. o sacana do gato..

tão, se ela decide que quer subir para cima da bancada da cozinha, ignora os avisos todos e sobe à mesma. e depois fica toda ofendida quando a mandamos pro chão. e está sempre a insistir, em jeito de desafio.

enfia-se dentro dos roupeiros, e se antes saia sem refilar, agora é uma tourada para tirá-la de lá pra fora.

senta-se ou deita-se em zonas de passagem, mesmo no meio do caminho, não se mexe quando alguém passa por ela e tem que se desviar para não pisá-la, e ainda reclama.

chateia-nos durante as refeições até mais não, e nem sequer quer saber da nossa comida.

sempre que abrimos a porta de casa, pira-se pro hall do andar, e vai direita xaretar a cesta das cenas dos cães do apartamento da frente, quando sabe perfeitamente que sabe não a queremos lá a meter lá o nariz. agora passou a fazer birra quando vem recambiada para casa.

"um gato com tiques de adolescente, não faltava mais nada!" queixava-se o homem há uns dias, enquanto a arrastava para dentro de casa.

querias um gato mimado? tão agora aguenta-o!

5 de Abril de 2018, às 00:01link do post comentar