Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

lost in wonderland

lost in wonderland

Lost in… Trilho dos Pescadores!

Março 25, 2015

quando descobri que andavam a marcar trilhos na orla da costa vicentina fiquei excitadíssima com a ideia de se poder palmilhar aquela zona toda por ali a baixo (ou a cima) rente ao mar, sem stresses. a minha humilde vénia a quem se lembrou de fazer isto.
é que se caminhar já é a actividade perfeita para espairecer, caminhar junto das mais belas paisagens costeiras que temos no nosso pedaço, é pura e simplesmente arrebatador.

conhecemos o eixo porto covo-odeceixe de trás prá frente e de frente para trás. já fizemos praia ou geocaching em muitos dos sítios por onde a rota passa, só faltava mesmo conhecer aquilo que está pelo meio e que normalmente não está tão acessível.. e para isso só mesmo agarrando numa mochila e dar corda aos sapatos. não que isso fosse um problema :D

o problema era eu querer fazer o trilho de uma assentada só (de loucos, tendo em conta que somos caminhantes de "fim-de-semana", sem experiência de vários dias seguidos), algo que requer uma certa logística. arranjar uma data; garantir que o alojamento fica bem marcado, de acordo com as etapas; encontrar a melhor forma de nos metermos lá por transportes; transportes entre etapas pró caso de ser preciso; pensar na bagagem e mentalizar-me que teria que andar de mochila às costas o dia inteiro. só assim para começar.

claro que nada disto demovia o meu entusiasmo, antes pelo contrario, só o aumentava. era uma espécie de desafio, algo que tinha que fazer para saber se era capaz.

demorou uns anitos a concretizar-se mas finalmente aconteceu. a meteorologia parecia querer colaborar e não haviam outros planos no horizonte.

só um pequenino, muito insignificante detalhe: estava há 6 meses sem mexer o cú e meti-me naquela que foi a maior estopada que tenho memória:

 

5 dias*.  88km. a pé. de mochila às costas.

 

...OUCH! 

* era suposto serem 4 mas fizemos batota lol

caminhar para o dia 0 >

Na semana passada aprendemos que...

Março 23, 2015

- é possível viver durante uma semana apenas com o que conseguimos enfiar numa mochila de 20l;
- e do (muito) pouco que se leva, ainda há coisas que podiam ter ficado em terra;
- roupa de algodão não serve para caminhadas longas, ensopa em menos de nada e custa a secar, especialmente meias; 
- e as meias são *só* a peça mais importante da indumentária do caminheiro;
- por mais cheia que a mochila esteja, certifica-te que arranjas espaço para um par de havaianas, vais precisar delas;
- botas e areia é tipo azeite e água, não combinam nem à lei da bala;
- se os trilhos por onde vamos andar são muito variados (areia, cascalho, lama, terra batida, asfalto) é preferível levar dois tipos de calçado, pesa na mochila mas salva-te a vida;
- se tens pés pouco calejados, a vaselina é a tua melhor amiga;
- isso e pensos para bolhas de água;
- garrafas de água de 1,5l são para esquecer, avia-te antes com três ou quatro de 0,5l e agradece aos deuses pela sua invenção;
- há sempre outra duna/monte a seguir àquela/e que acabaste de atravessar;
- os hostels rulam pa crl;
- a felicidade suprema pode ser uma coisa tão simples como entrar num quarto e avistar um aquecedor a óleo;
- ainda há tascas na costa alentejana que não venderam a alma ao diabo turismo;
- also não há tasco que não tenha a pass do wifi pespegada na parede, como eu adoro viver no futuro!!
- o tuga não deve ser grande amigo de caminhadas;
- os telemóveis são os canivetes suíços do século XXI;
- bastões de caminhada não são uma cromisse, mas sim uma necessidade;
- não vale a pena gastar energia com previsões meteorológicas, eles nunca acertam (ou então tens *muita* sorte mesmo)
- por mais nublado que esteja o dia, não de esqueças de barrar protector solar;
- se te vais meter em 4 etapas seguidas de +/- 20km diários, pelo amor da santa, PREPARA-TE FISICAMENTE para isso!!

a costa vicentina é lindíssima, mas isso não é novidade para ninguém, só que desta vez foi vivida como nunca antes. não é preciso avisar que vem aí enchente de posts, certo? :D

 

lost in... trilho dos pescadores >

Weekend!

Março 11, 2014

nos primórdios aqui do blog eu tinha um hábito que era fazer o resumo do fim-de-semana, mas depois perdeu-se no tempo. não, não vai voltar (podem respirar de alivio :D) mas por acaso este fim-de-semana que passou teve os seus momentos, acho que valem a pena o registo.

tão na sexta saímos do trabalho tarde, cansados como o raio e um bocado murchos, e como nenhum de nós tava de apetites a fazer o jantar, o homem sugeriu que fossemos aos nachos. ainda não tinha a tripa recuperada da dose da semana passada, mas vá, que se lixe, bora lá..

como de costume, o homem pediu álcool para acompanhar o petisco. uma pipa dele, para ser mais exacta. trouxeram-lhe uma margarita que dava à vontade para duas pessoas. trouxeram também dois copos e serviram, apesar de eu ter dito que não queria. bom, mas estava ali a olhar para mim e o homem convenceu-me a experimentar "faz de conta que estás a morder uma rodela de lima no japonês, vá!".

dei um tragozito naquilo e para meu espanto, até me soube bem. tava tão gelada que quase nem dava pelo álcool (ou então era porque tinha a boca toda a arder por causa dos jalapeños muhahahah). pena que não vou muito à bola com o sabor da lima (ou limão).. "tão manda vir uma de morango" sugeriu ele.

e veio um balde de granizado de morango with a twist para mim. digamos que saímos os dois de do restaurante bastante mais alegres do que entrámos. fomos o caminho todo para casa, agarrados um ao outro, e só nos riamos das conversas parvas que iam surgindo. algum efeito aquilo deve ter tido lol 

acabar a semana nos copos, quem diria. se a moda pega.. :D

os planos para sábado eram acordar cedo e ir palmilhar a serra. só que para além de já não termos acordado lá muito cedo, a manhã estava incrível e achei que devia abrir as janelas para arejar a casa durante umas horas. então só por volta das três é que nos fizemos à estrada.

iniciamos o passeio às quatro. queria fazer um percurso de 15km, mas como já era tardote e ainda íamos meter geocaching pelo caminho, havia uma grande probabilidade de nem metade disso conseguirmos fazer. a primeira cache enganou-nos logo (geocaching com um gps à séria, sem vista de satélite LOL) e fez-nos perder quase 40 minutos. a segunda perdemos montes de tempo à procura dela, a terceira já era demasiado tarde para grandes aventuras, até porque a serra tava TODA fuçada de javali. nada como no risco.. devem andar poucos por ali, devem... e a quarta não dava mesmo para fazer, que o recinto já estava fechado ao público.

resultado: apenas 8km e uma cache. bah, tamos mesmo enferrujados :P

 

i'm on the top of the world

 

ao anoitecer subimos até as antenas para observar as luzes do horizonte. parecia quase que estávamos num avião, que vista brutal, de dia ou de noite, que aquela serra tem. às tantas o marido diz "olha lá, consegue-se ver o farol da berlenga".. cafixe!

"isso lembra-me que não vamos a peniche há uma porrada de tempo" constatei.. e uns minutos depois acrescentei que "por acaso até comia um belo dum peixinho assado..." começou-me logo a saliva a escorrer, só de pensar nisso.

rota traçada no gps e uma hora depois estávamos em peniche, abancados no popular. comi um sargalhão fresquinho que me regalei e o homem uma bela  espetada de peixe e lulas :D'

depois fomos dar a volta de reconhecimento do costume, para desmoer. acabamos por andar mais uns 3km, às voltas pelo centro da cidade. not bad!

no domingo planeava exercitar os braços a esfregar as janelas, que estão completamente badalhocas, mas quando olhei para o céu

 

 

portanto, foi ronha, máquinas de roupa, tábuas de roupa, e a limpeza semanal da casa. típico domingo invernoso.

Lost in… Cabeção

Maio 08, 2013

nada como levar a vida na perspectiva de copo meio-cheio e procurar sempre tirar o melhor partido de cada ocasião. por exemplo, tivemos um inverno encharcadíssimo como não há memória (minha, pelo menos) - mas - isso fez com que aproveitássemos verdadeiramente bem todos os momentos em que a chuva deu tréguas. não me lembro de ter apreciado tanto uma primavera como a deste ano, em especial o verde dos campos e as flores silvestres.. e andar atrás destas coisas tem-nos proporcionado experiências únicas!

 

há uns fins-de-semana atrás decidimos ir dar um passeio pelo alto alentejo, e o que era suposto ser apenas uma paragem para almoçarmos, tornou-se no destino do dia: o parque ecológico do gameiro, perto da vila de cabeção (mora).

a zona da praia fluvial já conhecíamos, o que desconhecíamos é que nos entretantos construíram um passadiço em madeira que segue junto à margem do rio e dá acesso a um percurso pedestre circular. curiosos com aquela história, e já que a tarde estava agradável, deixámos cair os planos de voltar à estrada e decidimos percorre-lo. 

 

...e fizemos nós muito bem, o passeio é realmente encantador. a primeira metade faz-se perto da água e a segunda segue por uma zona de montado, com uma paisagem lindíssima. a parte mais surpreendente do percurso foi quando o passadiço terminou e entramos na vereda, que estava extravagantemente florida. a natureza no seu melhor, foi assim durante uns quantos kms \m/

 

Untitled


e como de costume, não faltou um momento "daqueles"!

 

marido: (aponta prá seara) olha.. PAPOILAS!!

eu: YAY.. (lanço um olhar desconfiado à vedação) hum.. acho que não quero pular esta cerca.. tem ar de estar electrificada.

sis: (toca ao de leve num dos arames da vedação) não parece..

eu: BZZZZT (não a assustou, faltou o beliscão) nem penses que arrisco, não vou apanhar um esticão por causa duma foto!

sis: (toca de segunda vez no arame) opá, não sinto nada!

sis: (agarra no arame) f@%#-$€, tens razão!! mas é fraquinho, só à terceira é que senti alguma coisa..

 

uns metros mais à frente e deixaram de restar dúvidas - ooops :D

 

ah.. e claro, carrapatos!

mas desta vez ninguém se ficou a rir. o marido foi o primeiro, ainda no campo. a sis foi a segunda, já estávamos no carro quando descobriu um na testa (yikes). parei num semáforo, desvio o olhar para baixo (intervenção divina? lol) e vejo um a passear-se alegremente pelo meu colo, blargh.. ca noijo! 
por muito que uma pessoa se cate, estes cabrões arranjam sempre forma de apanhar boleia :P

Lost in… Serra do Risco

Abril 14, 2013

como o passeio de ontem soube a pouco, hoje quando acordámos decidimos que era um bom dia para atacar a serra do risco. andamos há uma porrada de anos para conhecer a orla daquela zona da arrábida e o dia estava perfeito para caminhar. céu limpo, calor, e uma brisa suave que ajudava a refrescar.. e a serra estava linda, linda!! a chuva pode ser uma real dor de cú, mas faz maravilhas pela natureza :)  

 

risco

 

a primeira parte do caminho era-nos familiar, andámos por lá há uns tempos a fazer geocaching, mas a segunda dependeu quase toda do gps. a serra tá minada de caminhos e trilhos, um autêntico labirinto. 

 

a dada altura, alcançámos um entroncamento. conseguíamos ver o estradão que subia até ao topo da serra, lá ao fundo. sem saber qual dos caminhos havíamos de seguir, consultamos o gps. no mapa apenas aparecia marcado o caminho da direita, mas o que seguia em frente parecia mais tentador. 

 

"vamos por este (em frente), parece ser mais directo para apanhar o outro lá em cima" disse eu.

 

mais directo.. yeah.. rite!

 

uns bons metros acima, acaba-se o trilho.. e agora? podíamos voltar para trás.. mas já tínhamos andado tanto que seria um desperdício de tempo e energia. opá, caga nisso.. siga pró meio do matagal!

 

só foi quase 1km de mato cerrado, com muitas paragens, muitos desvios, muitas vergastadas e arranhadelas. encalhávamos constantemente em becos sem saída que nos obrigavam a procurar alternativas, que às vezes pareciam impossíveis de existir. às tantas já estávamos tão embrenhados que voltar atrás não era opção. aguenta e não chora :D

o que nos valeu foram os afloramentos de rocha e os arbustos espezinhados pelos animais.. lição do dia: se não está marcado no gps, TURN THE FUCK BACK loll

 

eventualmente alcançamos a estrada. fiquei tão contente como se tivesse encontrado um oásis no deserto! 

mas excitação durou pouco.. assim que olhei para a minha esquerda vi uma subida íngreme a piscar-me o olho. mas bastava vencer aquele último obstáculo para alcançarmos o nosso objectivo. YAY!

 

achievement unlocked: risco

 

a vista e a sensação de missão cumprida recompensaram a estopada. tivéssemos mais tempo (e água) e tínhamos continuado pelo carreiro que serpenteia a falésia até ao marco geodésico, o ponto mais alto da serra.. em vez disso, abancámos lá um bocadinho e aproveitámos para descansar o corpo e absorver a energia aquele azul intenso do oceano. tava-se mesmo bem naquelas alturas magnificas :D

 

mas o tempo não pára e tínhamos 7km à nossa espera..

 

a última parte da caminhada seguiu por uma zona particularmente espezinhada e escavacada por javalis, o hóme já só estrebuchava.. não lhe bastavam já as paragens constantes para fazer controlo das carraças (apanhou algumas 6) como também eu parava para fotografar tudo e mais alguma coisa e atrasar ainda mais o regresso.

 

"OOOOooooh, tadinho… não que digas que tás com medo dos javalis? ha ha ha" gozava eu.

 

quando nisto, ouve-se um granda chavasqueiro no meio do mato, a pouquíssimos metros de nós. alarmados, olhámos um pró outro e ai mãezinha… PERNAS PARA QUE TE QUERO!! "foda-se, caguei prós carrapatos" grita hóme e desatámos os dois a correr furiosamente por aquela vereda fora, com medo que um porco cabeludo mal-humorado viesse no nosso encalço. uma cena digna de filme loll

 

se era um javali ou não, nunca o saberemos.. e ainda bem, espero nunca ter um encontro imediato de primeiro grau com um animal daqueles.. e pela quantidade de pegadas e terra fuçada, não devem andar por ali poucos!

 

e pronto, praticamente 15km palmilhados, pernas bem moídas, braços todos arranhados, um belo escaldão, mas muito, muito satisfeita com a façanha \m/

Hipster Spring

Abril 14, 2013

 

Untitled

 

aproveitámos este primeiro dia de primavera a sério para ir esticar as pernas ali prós lados do cabo espichel. foram apenas 7km, mas ainda puxou um bocadinho, por causa do terreno acidentado..

 

e as saudades que tinha destes dias solarengos e sem vento? até me babava! :D

 

mas acho que o meu cérebro ficou danificado pela quantidade de óleo inalado durante a preparação do jantar (jaquinzinhos com arroz de tomate).. é que durante a pós-produção, foram poucas as que escaparam aos efeitos hipster da moda muhahahah

 

Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled

Lost in... Arriba

Fevereiro 03, 2013

parece que os deuses ouviram as minhas queixas preces e deram-me finalmente um fim de semana decente. fuck yeah!

 

como tal, tratei de fazer a minha parte. agarrei no hóme e fomos fazer a primeiríssima caminhada do ano. como ele andava a chatear-me há montes de tempo que queria ir à praia ver se a maresia lhe desentupia as fossas, juntámos o útil ao agradável e fomos circular parte da arriba fóssil da caparica.

 

o percurso não nos era desconhecido, há uns anos atrás fizemos lá um powertrail, mas como de costume, já fomos tarde.. e praí um quarto do caminho foi percorrido já depois do sol posto. mas com o gps na mão, no worries :)

 

Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled Untitled

 

pelo caminho fomos cumprimentados por uma moça muito simpática e pelos vistos habituada a humanos, não estava muito assustada e aproximou-se de nós (vinha ao petisco, a interesseira :D). só tinha a 50mm comigo mas ela deixou-me sacar-lhe fotos bem de perto \m/

 

Untitled

 

o regresso pelo areal foi complicado.. apesar de ser sempre em frente e sem grandes obstáculos, andar na areia com botifarras de caminhada cansa pa cacete. mas a beleza da arriba compensa, assim como o entardecer na praia.

 

Untitled

Lost in... Monsanto

Abril 16, 2012

ele há coisas incríveis.. mesmo a viver a uma dúzia de km's de distância do parque de monsanto, tanto eu como o hóme nunca tínhamos lá posto os pés.

 

no sábado fomos a alfragide e quando passámos por lá, o assunto veio à baila. decidimos que estava na altura de resolver essa questão de uma vez por todas. e que desculpa melhor para fazer uma caminhadazita!

 

quando chegámos a casa fui ao wikiloc cuscar os trilhos. encontrei distâncias para todos os gostos:

 

6km.. meh, demasiado curto;

9km.. curto. 9km são duas horitas a andar, nem chega a cansar;

13km.. not bad, mas..

 

..18km. à patrão!!

 

coisa para nos deixar de rastos durante três dias (not kidding)!

 

então no domingo, mesmo com a ventania desgraçada que estava, pegámos em nós e fomos fazer o tal percurso. devíamos estar com a cabeça enfiada no cú porque eram quatro e meia da tarde quando começámos. tendo em conta que íamos palmilhar pelo menos 4 horas, era certo que a noite caía connosco ainda metidos no meio da mata e não tinhamos a lanterna. oh well, não havia de ser nada. bring it on, bitch!

 

monsanto não é assim tão grande como tudo isso, mas o tipo que criou aquele percurso certificou-se de fazer render ao máximo todos os caminhos existentes no parque, fossem eles de asfalto, terra batida, circuitos de manutenção ou single tracks. bastante diversificado e nada aborrecido, subidas e descidas qb. foi sempre, sempre a andar!

 

o parque é fixe, mas tem um "pequeno" problema: o ruído. ouvem-se motos, carros, comboios e aviões. quebra a experiência de contacto com a natureza quase por completo, uma pena, porque há lá espaços mesmo convidativos à ronha.

 

aguentei a coisa bastante bem, mas aos 15km já me estava a custar.. e a anoitecer!

 

ainda nos faltavam 2km e já começava a ser dificil ver por onde metiamos os pés, os tropeções nas raízes das árvores e nas pedras começavam a ser frequentes e nada saudáveis.. e de repente, eis que surge a estrada que passava pelo estacionamento onde tínhamos deixado o carro. JOY!

 

o marido (que já vinha a coxear por causa dum joelho rombo) deu a má noticia de que ainda faltava cerca de 1km para terminar o percurso.. humm.. 

 

1km ou 100m até ao carro?

 

morta como já vinha, quis cagar pró que faltava do percurso.. já não andava, arrastava-me e naquele momento o carro pareceu-me um oásis no meio do deserto :D

 

mas foi uma bela duma caminhada! mais destas virão \m/

Gerês // dia 5

Abril 13, 2012

DIA DE CAMINHADA YAY

 

como combinado, às nove em ponto estávamos à porta da empresa de actividades, fresquinhos e prontos para palmilhar a serra. eis que a nós se junta o guia que nos ia fazer babysitting acompanhar o dia todo.

 

o percurso começava na pedra bela, um dos ex-líbris do gerês. subimos até lá de pick-up e antes de nos fazemos ao mato, ficámos uns minutos no miradouro a absorver a vista, que é qualquer coisa...  

 

passámos por sítios verdadeiramente belos. paisagens imensas que não cabem na vista, paisagens que nos inspiram e nos fazem sentir vivos e incrivelmente apaixonados pela natureza. apetece andar sem parar por aquela serra toda :D

Untitled 

 quando alcançámos o vale do teixeira, um sitio lindíssimo que acolhe o rio arado, fizemos uma pausa para descansar um bocadito e aproveitar para lanchar. tava a roer uma maçãzora quando ouvi uns uivos falsificados. olhei na direcção do som e comentei: 

 

"geocachers..."

 

não imaginava caminheiros em figuras daquelas.. nisto surge um par de mânfios no cume da montanha. não sei se foi por verem pessoal cá embaixo, mas ficaram excitados e desatam a esbracejar e a gritar "OI!....OOOOOOI!!".. enquanto se meteram a deslizar na nossa direcção. vinham tão desarvorados, que há um deles que tropeça e manda duas cambalhotas por cima de calhaus e arbustos. parecia uma cena à jackass. o desgraçado deve ter ficado mal-tratado, mas levantou-se rapidamente e continuou a correr encosta abaixo.

 

quando chegaram cá em baixo viram cumprimentar-nos, esbaforidos. eram de facto geocachers e não estavam sozinhos. no calor da coisa perderam-se da horda onde vinham e decidiram subir ao topo do monte para localizar os outros (ah poizé, telemóveis da montanha é para esquecer :D). os uivos estavam assim explicados.

 

mas a primeira coisa que reparei foi na farpela que ambos traziam: t-shirt e calções..

 

de calções no mato... excelente escolha :D

 

não era, portanto, de admirar o estado lastimoso em que tavam as pernas daquelas duas almas, todas esgaravatadas e ensanguentadas. fiquei na dúvida se seriam inexperientes naquelas lides.. quer dizer, eu própria já cometi essa proeza.. once!

 

entretanto o tal grupo começou a invadir no vale, não eram poucos.

vale da teixeira

 

ainda tínhamos uns quantos kms à nossa frente por isso não nos alongámos muito mais por ali. mas antes de seguirmos, o marido ainda se juntou ao grupo para assinar o logbook duma cache que eles encontraram. outra que saiu à borla!

 

o percurso terminou por volta da uma da tarde, na cascata do arado, outro dos ex-líbris da zona. o marido tentou tomar banho na cascata mas a água gelada desencorajou-o he he he
foi uma bela caminhada, curta (8km) mas com subidas e descidas generosas, ainda deu para esticar bem os músculos das pernas \m/

 

dali seguimos caminho na pick-up pela serra dentro até às cascatas do tahiti. o guia levou-nos por umas "estradas" que eu não me punha lá nem que a minha vida dependesse disso!! uma montanha russa comparada àquilo é uma voltinha num carrossel para putos. tive que escolher entre ser estrangulada pelo cinto de segurança ou andar às cabeçadas no tecto. como saí de lá sem nódoas negras permanece um mistério :D

 

a segunda metade do passeio começou às três da tarde. depois do almoço atacámos a outra parte do monte. o tipo levou-nos a dois miradouros espectaculares. não tinha coragem para meter o cascas na estrada que dá para um deles, só por isso, já valeu a pena o passeio de jipe.

por mim ficava ali sentada o resto do dia a observar aquele assombro... mas o passeio continuava.

a road with a view

 

dali seguimos para o campo do gerês, uma surpresa das boas que ficou logo marcada para uma visita mais demorada. mas o cascas não entra da aldeia, que quase tive um ataque cardíaco a atravessar aquelas ruas e nem sequer era eu que estava ao volante lol srsly, pensei que fossemos ficar ali enlatados..

 

passámos pela barragem de vilarinho das furnas, enorme e alimentada quase exclusivamente pelo rio homem. apesar do inverno seco, as ruínas da antiga aldeia ainda estavam submersas, não deu para ver. seguimos pela mata da albergaria, uma área do parque altamente protegida pela sua biodiversidade e fomos parar a espanha, aos baños, uma "piscina" de água quente...

 

AHHHHHH... então é por isso que estão sempre pessoas ali enfiadas, faça chuva ou faça sol.. e nós a pensar que os nossos manos ali do lado não regulavam bem.. realmente a água está *mesmo* a escaldar, custei a meter lá os pés!

 

...e pronto. d'os baños voltámos à vila do gerês. satisfeitíssimos pelo longo, mas excelente dia passado às voltas pela serra. 

 

seguir para o dia 6 >

Gerês // dia 3

Abril 09, 2012

chegou finalmente o dia de caminhar YAY!!

 

eu estava no gerês, eu ia subir à mina dos carris. com ou sem guia, fim da discussão!
com as minhas pernas e o homem em melhores condições, fomos atacar um dos pontos mais emblemáticos da serra.

voltámos a utilizar o atalho espanhol e aterrámos na portela do homem *muito* mas *muito* mais tarde do que o planeado. para quem queria fazer-se ao monte no máximo até às 10 da manhã, era 1 da tarde quando começámos...

 

1 da tarde!

 

malucos de merda... aquilo não podia correr bem. anyway, adiante que se faz tarde - literalmente!

 

ora o primeiro km e meio já nós conhecíamos, a partir dali foi rumo ao desconhecido. o caminho começou a piorar gradualmente e a subida era cada vez mais acentuada. começava a morder. 

Untitled

levávamos hora e tal de caminho quando nos cruzámos com dois caminheiros que vinham de regresso. dois dedos de conversa e ficámos a saber que aquilo estava uma tristeza. tudo seco e não se viam animais (era disso que eles andavam atrás, para fotografar). perguntámos se faltava muito para a mina, pois não tínhamos gps e não estávamos a controlar as distâncias com precisão (tínhamos apenas uns screenshots do mapa com a visão geral do percurso).

 

"quando chegarem à próxima ponte estão mais ou menos a meio do caminho"

 

whaaaa... eu já estava meia morta e ainda nem metade do caminho tinha feito?? PQP!

lá continuámos. a dada altura o caminho deixou de ser um caminho para se tornar num rio de pedras soltas que dificultava imenso o andar. as pausas eram cada vez mais frequentes para tentar recuperar o folgo.

 

mas a paisagem que íamos descobrindo à medida que subíamos era avassaladora :D

 

Untitled

levava duas horas de caminhada quando comecei a ficar convencida de que não estava fisicamente preparada para aquilo, e devia desistir antes que começasse a sentir-me mal. não queria o homem a ter que carregar comigo monte abaixo por aquele caminho horroroso. 

 

às três e meia da tarde deu-se a derradeira paragem. pela espécie de mapa que tínhamos dava para perceber que ainda faltava cerca de um terço do percurso, que àquele ritmo era coisa para levar quase uma hora.. e sem esquecer que ainda tínhamos que regressar..

 

quis desistir.

 

tava completamente exausta, não tinha folgo nem forças para continuar. sentia-me incapaz de subir 1km, quanto mais 3.. o marido ainda me perguntou se tinha mesmo a certeza que não conseguia, que já sabia que eu ia ficar toda picada por ter desistido.

mas aquilo há muito que tinha deixado de ser divertido, e como estava a demorar mais que o previsto. corríamos o sério risco de ter que descer o vale praticamente às escuras, o que seria uma grande estupidez da nossa parte.

 

estivemos por ali mais um bocado a descansar e depois voltamos para trás... 6km de pedras soltas para descer.. joy!

 

entretanto topámos umas cabras montanhesas de olho em nós, lá bem no alto da montanha!

cabras 

..e para baixo os santos nem por isso ajudaram. o ritmo até podia ser mais acelerado, mas a corrente de pedras era bem mais perigosa, era preciso ter atenção redobrada onde púnhamos os pés. inevitavelmente, os joelhos e os tornozelos começaram a ressentir-se. eu, que não costumo ter problemas nesse departamento, já vinha manca.

 

sair dali sem um entorse foi quase um milagre!

 

parámos a cerca de 2km do fim, para descansar numas piscinas naturais providenciadas pelo leito do rio homem. muito, muito, muito agradáveis.

chillin' 

bom, mas como ainda andámos alguns 12 ou 13 km naquele dia, mesmo sem atingir o objectivo, declaro aquela uma boa caminhada. pelo menos intensa foi.

 

(btw, uma semana depois continuo a achar que tomei a decisão certa em desistir.. sei que há uma coisa chamada adrenalina que faz coisas incríveis.. still, pôr a nossa integridade física em risco por uma teimosia é simplesmente idiota)

 

dali regressámos a pitões, onde chegámos ao entardecer. o marido foi novamente à procura da cache e eu aproveitei para tirar umas fotos da aldeia. depois meti-me no carro e fui estaciona-lo mais acima para apreciar o quadro que tinha diante mim.

 

o anoitecer estava absurdamente bonito. ao azul já escuro do céu misturava-se os últimos tons púrpura e laranja do ocaso e a muralha negra de granito a recortava dramaticamente o horizonte.

 

como estava cansada e as pernas doíam-me, deixei-me ficar no carro e desci os vidros das janelas. estava frescote mas não corria ponta de vento. nada mexia, nem sequer as plantas. a aldeia lá ao fundo estava igualmente imóvel e silenciosa, ouviam-se apenas uns passaritos.. 

 

e naquele instante pareceu que o tempo parou!

 

fui invadida por uma paz de alma tal que não encontro palavras para a descrever.. não conseguia pensar em nada sequer, parecia que estava em transe. um raro momento íntimo entre mim e o universo... 

 

...até que o homem gritou lá do fundo que lhe fosse levar a lanterna que ele tinha encontrado o buraco da cache e arrancou-me daquele estado zen... bastard!

 

voltámos ao restaurante do dia anterior e a ementa mantinha-se: vitela e bacalhau.. ou enchidos.

 

nessa noite jantámos sopa, pão, queijo, presunto e enchidos de pitões, que não me apetecia bacalhau e já não podia mais com vitela he he he

 

e quando estávamos quase a chegar à estalagem, vimos o coitado do monte ao lado do nosso em chamas.. odeio incêndios..

 

seguir para o dia 4 >

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mIRC.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e (sempre que a preguiça não a impede) gosta praticar exercício físico.

mantém uma pequena bucket list de coisas que gostava de fazer nos entretantos.

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores:
#12   #11   #10   #9   #8   #6   #5   #4

seguir nos blogs do SAPO

email: isa@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

'Le Archive

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2004
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2003
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D